segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

CJ7 O BRINQUEDO MÁGICO













O FILME "CJ7 O BRINQUEDO MÁGICO" É UM "ET CHINÊS", MUITO LEGAL....
TODOS DIZEM QUE NO NATAL E FINAL DE ANO FICAMOS MAIS SENSÍVEIS, OU QUEM SABE FIÉIS A NOSSA HERANÇA CRISTÃ OCIDENTAL, MAIS MASOQUISTAS.... BEM POUCO IMPORTA.... O FATO É QUE ONTEM TENTANDO RECUPERAR OS EXCESSOS CAUSADOS PELOS ESPUMANTES E IGUARIAS NATALINAS, PEGUEI PARA ASSISTIR O FILME CJ7 O BRINQUEDO MÁGICO.
O FILME TRAZ A HISTÓRIA DE UM OPERÁRIO CHINÊS QUE RALA NA CONSTRUÇÃO CIVIL PARA PAGAR UMA ESCOLA PARTICULAR PARA O SEU FILHO, NA QUAL ELE É HUMILHADO E SEGREGADO PELOS COLEGAS METIDOS A BESTA .... OBVIAMENTE QUE CONHECEMOS MUITO BEM ESTA TRAMA ....  MAS, O FILME É BEM MAIS QUE ISSO, OS ATORES SÃO MARAVILHOSOS, O MENINO ARREBENTA COM A SUA EXPRESSIVIDADE, E O MELHOR, É O PRÓPRIO BRINQUEDO MÁGICO, QUE É UM  LINDO ETEZINHO, QUE LEMBRA OS MELHORES EXEMPLARES DA TOY ART (ACHO QUE FOI POR ISSO QUE ME APAIXONEI PELO FILME) E, ESTABELECE UM RELAÇÃO AFETIVA MUITO LEGAL COM O MENINO.
VEJAM E CONVIDEM AS CRIANÇAS..... ELAS VÃO ADORAR.


quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

JEAN BAUDRILLARD NO LIVRO POWER INFERNO


“O desabamento das torres é o acontecimento simbólico maior. Imaginem se não tivessem desabado, ou que apenas uma delas desabasse, o efeito não seria de modo algum o mesmo. A prova gritante da fragilidade da potência mundial não teria sido a mesma. As torres, que eram o emblema dessa potência, ainda a encarnam nesse fim dramático, que lembra um suicídio”. 

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

MÁXIMO SOZZO - "ES RIDÍCULO SEGUIR PENSANDO EN POLICÍA Y CÁRCELES PARA GANARLE AL DELITO"

Máximo Sozzo es abogado, investigador y docente especializado en criminología. El pasado jueves dictó su primera clase sobre Política Criminal y Control del Delito en el marco de la Maestría en Derecho Penal que ofrece la Facultad de Ciencias Económicas de la Universidad Nacional de la Patagonia.
En diálogo con Jornada, Sozzo propuso que, en materia de control del delito, es indispensable ver a la política criminal como parte de la política social.

-¿Por qué son más leves las penas en los delitos penales que en los administrativos?

-Entre el siglo XVIII y el siglo XIX los países centrales privilegiaron cierto tipo de hechos que calificaron como graves que merecen la pena: contra la propiedad y contra las personas.En cambio, los delitos vinculados a sujetos poderosos social, económica o políticamente han sido considerados delitos desde no hace más de sesenta años.A partir de ahí se ve cómo un problema el hecho de que esos acontecimientos ocasionan tantos daños sociales, o más, que los tradicionalmente considerados como delictivos, y sin embargo no lo eran; estaban considerados como ilícitos administrativos y a veces ni siquiera eso.

-¿Esto debería modificarse?

-Evidentemente las penas, tal como están estructuradas en el sistema penal argentino, son terriblemente monótonas. Respondemos a todos los problemas con los mismos remedios: la pena privativa de la libertad.
Me parece que eso es algo que debe ser cuestionado urgentemente.No podemos pensar que ese único estilo de intervención es adecuado para problemas tan diversos, que van desde un acto de corrupción de un funcionario público hasta el robo de un sándwich.

-¿Creés que alcanza con que aquellos funcionarios que cometieron un desfalco paguen de su bolsillo?
-Para esos delitos de sujetos poderosos, que cuentan con recursos económicos, responder con una pena pecuniaria puede no ser una buena opción del todo.
Quizá en esos casos se pueda pensar en la privación de la libertad, por ejemplo, que efectivamente sea vista por esos sujetos poderosos como un daño potencial. Porque si no el esquema disuasivo al cual se vincula la ley penal no tendría sentido.

-¿La pobreza incide en el aumento de la cantidad de delitos?
-No hay duda de que ciertas formas de marginación económica y social funcionan como una condición de posibilidad para que determinados individuos decidan cometer delitos. Pero esto no quiere decir que todos los actos delictivos sean causados por esa marginalidad.Otro elemento importante es que la marginación no es sólo un problema material porque a su vez está recubierto por otros procesos sociales y culturales que son indisociables.Entonces no es solo falta de recursos sino que la falta de recursos genera una forma de vida social que está sometida a otro montón de privaciones que no son sólo materiales.

El control del delito excede a la Policía. ¿Qué otros estamentos, que también son responsables, considerás que hoy están fallando a la hora de controlar el delito?
-Uno de los grandes problemas de las estrategias del control del delito contemporáneo en la Argentina es que se sigue pensando en torno de las instituciones tradicionales.Creemos que si el delito crece es porque la Justicia no funciona, las cárceles no funcionan, la Policía no funciona.Pero en el hecho de que el delito crezca también inciden otros factores que tienen que ver con los grandes procesos de transformación social, económica y cultural que han atravesado la vida contemporánea en los últimos treinta años.
Entonces parece ridículo seguir pensando que la batalla contra el delito se va a ganar invirtiendo en Policía, en Justicia penal y en prisiones.
Para pensar nuevos mecanismos de control del delito que sean efectivos es indispensable ver a la política criminal como parte de la política social y entender que lo que está en juego en el mundo contemporáneo es la reacción de la política ante la crisis de los lazos sociales. Las políticas educativa, social, laboral, de salud deben desarrollar acciones concretas dirigidas a esas poblaciones que padecen condiciones de vida que pueden funcionar como condiciones posibilidad para la comisión de actos delictivos. Que es lo que esas políticas hoy no hacen.

-¿Cuál es el efecto de aumentar la Policía en la calle?
-La presencia policial en las calles, produce, en el mejor de los casos, un efecto desplazamiento. En teoría, cumple un rol preventivo porque disuade a las personas de cometer un delito en el lugar donde está la presencia policial.
Y como no puede haber ciudades íntegramente vigiladas, los delitos no se cometen donde está la Policía sino en otro lugar.
La Policía se concentra en barrios de clase media alta y alta.Ahí se ve una ciudad dividida en dos: con espacios protegidos y espacios desprotegidos, con una Policía que concentra sus esfuerzos en evitar que los individuos indeseables invadan la ciudad protegida. Se sigue funcionando como una dotación de bomberos: acude a un lugar porque hay reclamo social allí y está durante un mes y después va a otro lugar.
El intelectual inglés Jeremy Bentham pensaba que el castigo, para que se justifique, tenía que se útil. Decía: “Si el mal que el delito ha ocasionado no va a ser reparado por el mal que la pena ocasiona, mejor no castigar”. Esta idea es terriblemente subversiva en relación a cómo se piensa hoy el castigo en la vida pública. Nadie reflexiona sobre castigar, ¿vale la pena?En Argentina, la forma de castigar es difícil de justificar. Nuestras penas privativas de la libertad producen desocialización, violencia, reincidencia. Se trata de darle una apariencia al público de que estamos haciendo algo efectivo, cuando en realidad estamos haciendo algo que nadie sabe muy bien para qué sirve.

JEAN BAUDRILLARD

AQUILO QUE CHAMAM "MORRER" NÃO É SENÃO ACABAR DE VIVER E O QUE CHAMAM "NASCER" É COMEÇAR A MORRER. E AQUILO QUE CHAMAM "VIVER" É MORRER VIVENDO. NÃO ESPERAMOS PELA MORTE: VIVEMOS COM ELA PERPETUAMENTE.

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

RELATÓRIO DIZ POLÍCIAS SP e RJ SÃO AS MAIS VIOLENTAS

A cada 23 pessoas presas, uma é morta pela polícia do Rio de Janeiro. Já em São Paulo, há uma vítima para cada 348 presos. Nos Estados Unidos, é preciso prender mais de 37 mil suspeitos para que haja uma morte. Os números foram divulgados pelo relatório da organização não governamental Human Rights Watch. Segundo a entidade, a maior causa dos altos índices é pelo fato de que muitos homicídios cometidos pelas polícias brasileiras, relatados como legítima defesa, são, na verdade, execuções extrajudiciais. A informação é da Agência Brasil.
Os dados divulgados pela organização contradizem pelo menos 51 dos mais de 11 mil casos registrados como auto de resistência seguido de morte pelos policiais, desde 2003. Em 33 casos, técnicas forenses vão contra as versões oficiais para os homicídios e em 17 mostram que a vítima recebeu um tiro à queima-roupa. O documento “Força Letal: Violência Policial e Segurança Pública no Rio de Janeiro e em São Paulo” também mostra que as polícias dos dois estados estão entre as que mais matam em todo mundo.
“Os policiais são autorizados a usar a força letal como o último recurso para se protegerem ou protegerem outros. Mas a noção de que esses homicídios seriam cometidos em legítima defesa ou seriam justificados pelos altos índices de criminalidade é insustentável”, afirmou o diretor da divisão das Américas da ONG, José Miguel Vivanco. Segundo a Human Rights, as polícias do Rio de Janeiro e de São Paulo matam juntas mais de mil pessoas por ano em supostos confrontos.
Embora os números não estejam contabilizados, o relatório também chama atenção para as mortes cometidas por policiais fora do expediente, “frequentemente quando agem como membros de milícia no Rio ou em grupos de extermínio em São Paulo”. A causa dos extermínios extrajudiciais, aponta o documento, são os sistemas de justiça penal nos dois estados que dependem de membros das próprias corporações para investigar as circunstâncias dos autos de resistência e que não conseguem responsabilizar os policiais por assassinato.
“Enquanto couber às polícias investigar a si mesmas, essas execuções continuarão. E os esforços legítimos de combater a violência serão enfraquecidos”, completa Vivanco. Elaborado com dados coletados em dois anos de pesquisa, o relatório traz entrevistas com cerca de 40 autoridades da Justiça criminal como promotores e procuradores, que também avaliam que as execuções extrajudicias nos dois estados são um problema generalizado.
Ao ser questionado sobre os dados da Human Rights, o secretário de Segurança Pública do Rio, José Mariano Beltrame, desqualificou a pesquisa da ONG taxando-a de “ideológica”. E justificou o elevado número de mortes cometidas em confronto, explicando que no estado três facções criminosas, fortemente armadas, brigam pelo controle do tráfico de drogas.
“Acho que essas instituições [como a Human Rights] não gostam de ouvir que aqui temos três facções criminosas, temos ideologia de facções e territórios armados sustentados por armas de guerras", disse Beltrame, após assinatura de convênio para integração de bancos de dados da área de segurança, na sede da secretaria.
Especialistas sugerem fiscalizaçãoO desafio de conter a violência policial nos estados do Rio de Janeiro e de São Paulo passa por melhorias na estrutura da Justiça criminal e também pela valorização da vida. A avaliação é do cientista social Paulo Jorge Ribeiro, professor da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, que comentou o relatório da Human Rights Watch nesta terça-feira (8/12).
“Todos têm direito à vida. Não importa quem seja. A vida é um bem e não um direito”, afirmou. “A letalidade não pode ser vista como necessária. É fundamental que os controladores sejam controlados, que as instituições que visam a punição e a prisão [de policiais] também sejam vigiadas por seus pares ou pela sociedade civil.”
No âmbito da punição dos agentes policiais, Ribeiro avalia que é preciso reformular as corregedoria e ouvidorias. “Os policiais cortam na própria carne, mas não como deveriam, porque não há a possibilidade de terem uma carreira autônoma. Se o policial começar a punir demais seus pares, automaticamente será isolado”.
O relatório da ONG internacional de defesa dos direitos humanos também aponta saídas para os crimes cometidos por policiais, como a notificação imediata ao Ministério Público do ocorrido e um reforço no sistema criminal para que os agentes sejam punidos, quando for o caso.
ENVIADO POR THIAGO VIAN

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Desobediencia Un film de Patricio Henriquez

Ese ruido...¿Lo oye tu?

Es el canto de la tierra.
Un canto de frustración y de rabia.

En el Norte como en el Sur,
millones de hombres, de mijeres y de
niños viven en condiciones intolerables.
Condiciones de miseria,
de violencia,
de explotación.

Son los huérfanos del Dios tecnológico.
Los olvidados del gran banquete de los
poderosos.

Estas son sus historias.
Le parecerán a veces espetaculares.
A veces, casi ordinarias.
Pero siempre, estremas

Ese ruido... ¿Lo oye tu?

Postado por Melissa (Chilenita!)

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

O ABECEDÁRIO DE GILLES DELEUZE

O ABECEDÁRIO É RESULTADO DE UMA ENTREVISTA CONCEDIDA POR DELEUZE A CLAIRE PARNET EM 1988. A ENTREVISTA DUROU SETE HORAS, E NO INÍCIO FOI ESTABELECIDA A CLÁUSULA DE QUE, SOMENTE SERIA UTILIZADA, CASO FOSSE, APÓS A MORTE DE DELEUZE.
BRILHANTE COMO SÓ ELE, DELEUZE COMEÇOU A DISCORRER SOBRE PALAVRAS LANÇADAS PELO SEU ENTREVISTADOR, OBEDECENDO A ORDEM DO ABC: "A" DE ANIMAL, "B" DE BEBER, "C" DE CULTURA, "D" DE DESEJO, E ASSIM POR DIANTE.
VOU TRANCREVER UM PEQUENO TRECHO DA ENTREVISTA QUE FALA SOBRE A CULTURA, QUANDO DELEUZE É QUESTIONADO SE CONSIDERA-SE UM HOMEM CULTO:
"GD: Não, quando lhe digo que não me vejo, realmente, como um intelectual, não me vejo como alguém culto por uma razão simples: é que quando vejo alguém culto, fico assustado, não fico tão admirado, admiro certas coisas, outras, não, mas fico assustado. A gente nota alguém culto. É um saber sobretudo assustador. Vemos isso em muitos intelectuais, eles sabem tudo, bem, não sei, sabem tudo, estão a par de tudo, sabem a história da Itália, da Renascença, sabem geografia do Pólo Norte, sabem... podemos fazer uma lista, eles sabem tudo, podem falar de tudo. É abominável. Quando digo que não sou culto, nem intelectual, quero dizer algo bem fácil, é que não tenho saber de reserva. Pelo menos não tenho esse problema. Com minha morte, não se precisará procurar o que tenho para publicar, nada, pois não tenho reserva alguma. Não tenho nada, provisão alguma, nenhum saber de provisão, e tudo o que aprendo, aprendo para certa tarefa, e, feita a tarefa, esqueço. De modo que, se dez anos depois, sou forçado, isso me alegra, se sou forçado a me colocar em algo vizinho ou no mesmo tema, tenho de recomeçar do zero. Exceto em alguns casos raros, pois Spinoza está em meu coração, não o esqueço, é meu coração, não minha cabeça, senão... Por que não admiro essa cultura assustadora? Pessoas que falam...
CP: É erudição ou opinião sobre tudo?
GD: Não é erudição, eles sabem falar, primeiro viajaram, viajaram na História, na Geografia, sabem falar de tudo. Ouvi na TV, é assustador, ouvi nomes, então, como tenho muita admiração, posso dizer, gente como Umberto Eco, é prodigioso, o que quer que lhe digam, pronto, é como se apertassem em um botão, e ele sabe, além disso... Não posso dizer que invejo isso. Fico assustado, mas não invejo. O que é a cultura? Ela consiste em falar muito, não posso me impedir de... sobretudo agora que não dou mais aula, estou aposentado, falar, acho cada vez mais, falar é um pouco sujo. É um pouco sujo, a escrita é limpa. Escrever é limpo e falar é sujo. É sujo porque é fazer charme. Nunca suportei colóquios, estive em alguns quando era jovem, mas nunca suportei colóquios. Não viajo. Por que não? Porque... os intelectuais... eu viajaria se... enfim, não. Aliás, não viajaria, minha saúde me proíbe, mas as viagens dos intelectuais são uma palhaçada. Eles não viajam, se deslocam para falar, partem de um lugar onde falam e vão para outro para falar. E, mesmo no almoço, eles vão falar com os intelectuais do lugar. Não vão parar de falar. Não suporto falar, falar, falar, não suporto. Como me parece que a cultura está muito ligada à fala. Nesse sentido, odeio a cultura, não consigo suportá-la".
MUITO BOM, LEIAM O RESTANTE DO ABC DELEUZIANO.

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

MARTA MINUJÍN NA BIENAL MERCOSUL


"EL OBELISCO DE PAN DULCE" - 1979 - Réplica do obelisco portenho de 36 metros de altura recoberto por 10.000 paquetes de pan dulce que logo foram distribuídos para o público.

"EL PARTENON DE LIBROS"




MARTA MINUJÍN E ANDY WAROL


HOJE VISITANDO A BIENAL MERCOSUL, NO MARGS, ME DEPAREI COM ALGO INCRÍVEL, MARAVILHOSO, A OBRA DE MARTA MINUJÍN. ARGENTINA, NASCIDA EM 1941, RESIDE E TRABALHA ATUALMENTE EM BUENOS AIRES.

A OBRA DE MINUJÍN É VASTA, DIVERSIFICADA E INUSITADA, SÃO DESENHOS, PINTURAS, ESCULTURAS E, O MAIS INTERESSANTE, INSTALAÇÕES, CHAMADAS DE PROJETOS DE PARTICIPAÇÃO MASSIVA.

ESTES PROJETOS TIVERAM INÍCIO NO FINAL DOS ANOS 70, ENTRE ELES ESTÁ ALGO REALMENTE MUITO LOUCO, "EL PARTENÓN DE LIBROS", UMA ESTRUTURA TUBULAR DE FERRO DO MESMO TEMANHO QUE O PARTENÓN DE ATENAS, RECOBERTA POR MILHARES DE LIVROS PROIBIDOS DURANTE A DITADURA MILITAR ARGENTINA.

LOCALIZADO NA AV. 09 DE JULIO COM A AV. SANTA FE, O PARTENON FOI ABERTO E COMPARTILHADO COM O PÚBLICO DURANTE A NOITE DE NATAL DE 1983, ANO QUE MARCA O FINAL DO REGIME AUTORITÁRIO.

A EXPOSIÇÃO NO MARGS APRESENTA O PROJETO E A DOCUMENTAÇÃO DESSA OBRA INOMINÁVEL. VALE A PENA CONFERIR.

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

SOMENTE LEVI STRAUSS AO MORRER COM MAIS DE 100 ANOS, PODERIA DESAFIAR O TEMPO COMO FEZ COM O PENSAMENTO TRADICIONAL E CARTESIANO



“(...) em vez de caminhar em direção à uniformidade a evolução da humanidade acentuará os contrastes criando o novo e restabelecendo o reino da adversidade. Romper hábitos milenares, essa é talvez a lição de sabedoria que um dia
haveremos de aprender das vacas loucas”. (LEVI-STRAUSS)
A primeira vez que ouvi falar em Levi Strauss foi na década de 80, quando cursava História na PUC. Como não podia ser diferente, o contato inicial se deu por meio das sempre irreverentes palavras da nossa querida Ruth Gauer, que na contra-corrente de um marxismo ortodoxo (o qual alíás eu me filiava de forma militante), trouxe para o interior do debate o pensamento antropológico. Questionando dogmas causalistas, determinismos econômicos, e substancialmente o reducionismo das dimensões culturais e ritualísticas à meros reflexos da estrutura sócio econômica, começamos a ler a obra do grande Levi Strauss. Dentre os livros mais genais, especialmente por nos possibilitar a compreensão da própria cultura brasileira, temos "Tristes Trópicos", depois vem "Pensamento Selvagem", "O cru e o cozido", "O Homem nu", entre outros.
Mas uma das coisas mais brilhantes que li de Levi Straus foi um ensaio que eu nunca tinha escutado falar, e acabei esbarrando com ele a um tempo atrás na Sulina, chamado "O Suplício de Papai Noel", publicado em 1952, traz um estudo antropológico deste personagem tão popular, num contexto de mutação ocorrido na Europo pós-guerra.
Bem não precisa dizer mais nada, vai aqui a minha homenagem a este gigante.

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

"UM BLOGGER CHAMADO SARAMAGO" POR UMBERTO ECO

Ninguém mais indicado para falar de Saramago do que Umberto Eco.
Antes ainda, da recente polêmica envolvendo "Caim", última obra de Saramago, a qual reascendeu "antigos ódios e indignações", por parte dos arautos da "verdade eterna", Umberto Eco escreve "Um blogger chamado Saramago".
Ao comentar o blogueiro Saramago, surgido com "O Caderno de Saramago" (posteriormente editado como livro) dentre outras alusões, Eco fala do ateísmo de Saramago (leiam trecho):
(...)
Tem-se falado muito do ateísmo militante de Saramago. Com efeito, a sua polémica não é contra Deus: uma vez admitindo que "a sua eternidade é só a de um eterno não-ser", Saramago poderia estar sossegado. A sua aversão é contra as religiões (e é por isso que o atacam de vários lados, negar Deus é concedido a todos, enquanto polemizar com as religiões põe em causa as estruturas sociais).
Uma vez, precisamente estimulado por uma das intervenções anti-religiosas de Saramago, reflecti sobre a célebre definição de Marx, para quem a religião é o ópio dos povos. Mas é verdade que as religiões têm sempre toda esta virtude soporífera? Saramago várias vezes tem atacado as religiões como fontes de conflito: "As religiões, todas elas, sem excepção, nunca servirão para aproximar e reconciliar os homens; pelo contrário, foram e continuam a ser causa de sofrimentos indescritíveis, de chacinas, de monstruosas violências físicas e espirituais que constituem um dos mais tenebrosos capítulos da mísera história humana" (La Repubblica, 20 de Setembro de 2001).
Saramago concluía algures que "se fôssemos todos ateus viveríamos numa sociedade mais pacífica". Não tenho a certeza de que tivesse razão, e parece que indirectamente lhe teria respondido o papa Ratzinger na sua encíclica Spe salvi, em que dizia que é o ateísmo dos séculos XIX e XX, se bem que se tenha apresentado como protesto contra as injustiças do mundo e da história universal, que fez que "de tal premissa tenham resultado as maiores crueldades e violações da justiça".
Talvez Ratzinger pensasse naqueles sandeus de Lenine e Estaline, mas esquecia-se que nas bandeiras nazis estava escrito "Gott mit uns" (que significa "Deus está connosco"), que falanges de capelães militares benzeram os arruaceiros fascistas, que inspirado em princípios religiosíssimos e apoiado por Guerrilheiros do Cristo-Rei era o massacrador Francisco Franco (independentemente dos crimes dos adversários, foi sempre ele que começou), que religiosíssimos eram os Vandeanos contra os Republicanos, que até tinham inventado uma Deusa Razão, que católicos e protestantes se massacraram alegremente durante anos e anos, que tanto os Cruzados como os seus inimigos eram impelidos por motivações religiosas, que para defender a religião romana se puseram os leões a comer os cristãos, que por razões religiosas se acenderam inúmeras fogueiras, que religiosíssimos são os fundamentalistas muçulmanos, os autores do atentado das Twin Towers, Osama e os talibãs que bombardearam os Budas, que por razões religiosas se opõem a Índia e o Paquistão, e por fim que foi a invocar God Bless America que Bush invadiu o Iraque.
Por isso me punha a reflectir que talvez (se por vezes a religião é ou foi o ópio dos povos) com maior frequência tem sido a sua cocaína. Creio que esta é também a opinião de Saramago e ofereço-lhe a definição - e a sua responsabilidade.
Saramago blogger é um zangado. Mas haverá realmente um hiato entre esta prática de indignação diária sobre o transeunte e a actividade de escrita de "opúsculos morais" válidos tanto para os tempos passados como para os futuros? Escrevo este prefácio porque sinto ter alguma experiência em comum com o amigo Saramago, que é a de escrever livros (por um lado) e por outro a de nos ocuparmos de crítica de costumes num semanário. Sendo o segundo tipo de escrita mais claro e divulgador que o outro, muita gente me tem perguntado se eu não despejaria nas pequenas peças periódicas reflexões mais amplas feitas nos livros maiores. Não, respondo eu, ensina-me a experiência (mas creio que o ensina a todos os que se encontrarem em situação análoga) que é o impulso de irritação, a dica satírica, a chicotada crítica escrita à pressa, que fornecerá a seguir o material para uma reflexão ensaística ou narrativa mais desenvolvida. É a escrita diária que inspira as obras de maior empenho, e não o contrário.
E pronto, eu diria que nestes breves escritos Saramago continua a fazer a experiência do mundo tal como desgraçadamente ele é, para depois o rever a uma distância mais serena, sob a forma de moralidade poética (e às vezes pior do que é - embora pareça impossível ir mais longe).
Mas depois, estará realmente sempre assim tão zangado este mestre da filípica e da catilinária? Parece-me que além da gente que ele odeia também existe a gente que ele ama, e eis as peças afectuosas dedicadas a Pessoa (não se é português em vão) ou a Jorge Amado, a Carlos Fuentes, a Federico Mayor, a Chico Buarque de Hollanda, que nos mostram que este escritor é pouco invejoso dos colegas e sabe tecer-lhes delicadas e ternas miniaturas.
Para não falar (e eis o retorno aos grandes temas da sua narrativa) de quando da análise do quotidiano salta para os grandes problemas metafísicos, para a realidade e a aparência, para a natureza da esperança, para como são as coisas quando não estamos a olhar para elas..
Então volta à cena o Saramago filósofo-narrador, já não zangado mas meditativo e incerto. Contudo não nos desagrada mesmo quando se enfurece. É simpático.
UMBERTO ECO com seu brilhantismo destrói qualquer tipo de artifício que, em nome de dogmas, busca amputar a irreverência, o ceticismo e a criatividade que marca a obra de Saramago.

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

LANÇAMENTO DO LIVRO DO NOSSO COLEGA E AMIGO DANIEL ACHUTTI SÁBADO DAS 17 AS 21 HS NA PALAVRARIA



OS ANSEIOS DE VINGANÇA E PUNITIVIDADE, A BARBÁRIE, O CAOS E O MEDO COLETIVO QUE MARCA NOSSA CONTEMPORANEIDADE - ESSENCIALMENTE NO QUE SE REFERE AS FORMAS E MECANISMOS DE CONTROLE DO CRIME - IMPÕE O DEBATE ACERCA DE NOVOS MODELOS DE JUSTIÇA CRIMINAL.
NESSE CONTEXTO O TRABALHO DO ACHUTTI ASSUME GRANDE RELEVÂNCIA.
ESTÃO TODOS CONVIDADOS.

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

MOSTRA CIRCO FELLINI IMPERDÍVEL












O INSTITUTO NT NOVO ESPAÇO CULTURAL EM PORTO ALEGRE, LOCALIZADO NUM MARAVILHOSO SOLAR NA MARQUÊS DO POMBAL 1111, TRAZ O CIRCO FELLINI, COM FILMES, FOTOS, CARTAZES E OS INDESCRITÍVEIS DESENHOS DE FELLINI E SEUS MAIS LOUCOS PERSONAGENS....









ALÉM DISSO, O LUGAR TEM UM AGRADÁVEL CAFÉ AO AR LIVRE PARA UM FINAL DE TARDE DE PRIMAVERA. MUITO LEGAL.... VALE A PENA CONFERIR....

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

ROMA CIDADE ABERTA - UMA OBRA PRIMA DE ROSSELLINI


O filme "Roma Cidade Aberta" é uma obra prima do neorealismo italiano.
Realizado em 1944, integra a chamada Trilogia de Guerra de Rossellini juntamente com Paisà (1946) e Alemanhã, Ano Zero (1947).
Rossellini retrata uma Roma devastada e desesperada diante da invasão alemã, onde relações inusitadas de colaboração e solidariedade vão sendo produzidas de forma lenta, delicada, quase imperceptível.
A proteção e a solidariedade prestada pelo padre católico Dom Pietro a um dos líderes da resistência Giorgio Manfredi (provavelmente comunista) perseguido pela Gestapo é o tema central do roteiro (assinado por Fellini e Sergio Amidei). E mais, basea-se na história real de Dom Luigi Morosini.
O filme é super simples, em preto e branco, mas de uma densidade imemorável.
Histórico, real, belo e cortante.
A cena final é realmente algo que deixa um gosto amargo na boca e, um questionamento acerca do mito civilizatório da modernidade..... calma não vou contá-lo. Vejam.




sexta-feira, 25 de setembro de 2009

GUERNICA PABLO PICASSO


"Existem duas maneiras de não amar a arte. A primeira é não a amar e a segunda é amá-la racionalmente" (Oscar Wilde).

sábado, 19 de setembro de 2009

A BANDA LA BERSUIT VERGARABAT - OS PORTENHOS SÃO TUDO DE BOM


Sr Cobranza
Intérprete:
Bersuit Vergarabat
Autor: Las Manos de Filippi
Voy a la cocina, luego al comedormiro la revista y el televisor,me muevo para aqui, me muevo para allanorma pla a cavallo lo tiene que matar.que me vienen con chorizo pero ya va a llegarque cocinen a la madre de cavallo y al papao a lo hijos, si es que tieneo a su amigo el presidente no le dejen ni los dientesporque menemporque menem, porque menem se lo gana y no hablemos de pavadassi son todos traficantesy si no el sistema quey si no el sistema que...no me digan se mantiene con la plata de los pobres eso solo sirve para mantener algunos pocos.ellos transan, ellos vendeny es solo una figurita el que este de presidenteporque si estaba alfonsin el que transa es otro gilson todos narcos, y de los malos y si te agarran con un gramo despuesque te la pusieronse viene la policia, de seguro que vas preso.y asi sube, la balanza, el precio tambien sube,tambien sube la venganza;y ahora va, ¿ahora que? "son todos narcos, y el presidentees el tipo que mantenga mas tranquila a nuestra gente""lleva plata del lavado",mientras no salte la broncael norte no manda palosay ay ay, uy uy uy¿que me dicen del dedito que le meten en jujuy?ay ay ay, uy uy uy¿que me dicen del dedito que le meten en jujuy?es ese perro "el santillan".si no lo pueden voltear lo van a querer comprar con discursos, si no les sale,son capaz de dar accionesa los grandes mercaderes,eso no importa, porque el perrova dejando otro perritoque le mete a este sistemael dedito en el culito y como sangray no es el culosino el que sangra y se retuercees el gran culo de este mundo.¡adios el muro, stalinista!los democratas de mierda y los forros pacifistastodos narcos, todos narcostodos narcotraficantes,te trasmiten por cadena,son de caos, paranoiquean,te persiguen si sos puto,te persiguen si sos pobre,te persiguen si fumas, si tomas si vendessi fumas, o compras un pobre tocoque lo haces para comersi tomas, vendes, compras, fumasy vayanse todos a la concha de su madre¿ahora que nos queda?eleccion o reeleccionpara mi es la misma mierda¡hijos de puta!en el congreso, hijos de puta en la rosaday en todos los ministeriosvan cayendo hijos de putaque te cagan a patadas...porque en la selva, se escuchan tirosy son las armas de los pobresson los gritos del latino...porque en la selva, se escuchan tirosy son las armas de los pobresson los gritos del latino...porque en la selva, se escuchan tirosy son las armas de los pobresson los gritos del latino...porque en la selva, se escuchan tirosy son las armas de los pobresson los gritos del latino...porque en la selva, se escuchan tirosy son las armas de los pobresson los gritos del latino...la ...tino la ...tino latino soy latinoporque tienen el poder y lo van a perdertienen el poder y lo van a perdertienen el poder y lo van a perdertienen el poder y lo van a perdertienen el poder y lo van a perderen la selvase escuchan tirosy son las armas de los pobres,son los gritos del latino
ENTREM NO SITE HTTP://WWW.BERSUIT.COM

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Pais e filhos


PAIS E FILHOS


Cláudio Moreno

Pais e filhos – este é o tema da cena magistral que Homero escolheu para encerrar a sua Ilíada. No mais famoso confronto de toda a guerra de Troia, Aquiles, o grande guerreiro grego, filho de uma deusa e de um mortal, venceu facilmente a Heitor, o mais valoroso dos troianos. Não satisfeito em matar Heitor, Aquiles amarrou o corpo no seu carro e o arrastou pelo pó da planície até o acampamento grego, onde o deixou insepulto, para ser devorado pelos cães famintos que rondavam, aos bandos, o campo de batalha. Do alto das muralhas da cidade, entre os troianos que assistiam estarrecidos à morte de seu herói, ninguém se desesperou mais do que Príamo, seu pai, o velho rei de Troia, por não poder dar ao filho um digno funeral, dentro dos antigos ritos.Lá em cima, no Olimpo, os deuses também se indignaram com o triste destino de Heitor: ele era um homem justo, um grande guerreiro, e não merecia esse derradeiro ultraje. A uma ordem de Zeus, o cadáver do herói foi coberto por um bálsamo divino que o protegia da putrefação; Íris, a deusa mensageira, foi sugerir a Príamo que oferecesse um rico resgate pelo corpo, como era costume entre os gregos, enquanto a deusa Tétis, mãe de Aquiles, foi até sua tenda para convencê-lo a devolver Heitor a sua família.À tardinha, acompanhado de um velho cocheiro, Príamo deixou então a cidade e rumou para o acampamento grego, no outro extremo da planície, com uma pesada carreta abarrotada de riquezas. A noite, porém, caiu sobre os dois velhinhos, e eles teriam se extraviado naquela escuridão se Hermes, o deus dos caminhos, não viesse socorrê-los, guiando-os até o campo inimigo. Lá, o deus adormeceu os guardas e o carro pôde passar despercebido, deixando Príamo, finalmente, diante da tenda de Aquiles. Este ficou paralisado de surpresa quando o ancião, surgindo do meio da noite, arrojou-se no solo, à sua frente, e beijou-lhe, suplicante, a mesma mão que tinha empunhado a espada assassina: “Dá o meu Heitor de volta, Aquiles! Pensa no teu pai, que também deve ter cabelos brancos, e deve te amar como eu amei meu filho!”.Ouvindo as trêmulas palavras do rei, Aquiles lembrou com tristeza que seu pai, o velho Peleu, devia estar lá longe, na Grécia, esperando seu retorno, sem saber que um oráculo havia predito que ele não voltaria vivo da guerra. Comovido, ele retirou mansamente a sua mão das mãos de Príamo, e os dois, frente a frente, unidos pelo mesmo sentimento de dor e solidão, irromperam num pranto comum que veio encher a imensidão daquela noite com os seus soluços – não mais como dois inimigos, mas como dois simples homens que choravam a infinita saudade de todos os pais e de todos os filhos que nunca mais vão se ver.(Publicado em 15/08/2005)-->
Pais e filhos
Ao meu pai.
Zero Hora, 11 de agosto de 2009.
Postado por Marco e Lívia

CAMINHOS DE PEDRA UMA ROTA ALTERNATIVA AO VALE DOS VINHEDOS


quinta-feira, 3 de setembro de 2009

PAVARINI - Punir mais só piora crime e agrava a insegurança

Punir mais só piora crime e agrava a insegurança
Fonte: Folha de São Paulo, 31.08.09

Castigo mais duro, herança dos EUA de Reagan, transforma criminoso leve em profissional, diz professor de Bolonha "É UM PECADO, uma idéia louca" a noção de que penas maiores de prisão aumentem a segurança. "Acontece o contrário. Penas maiores produzem mais insegurança", diz o italiano Massimo Pavarini, 62, professor da Universidade de Bolonha e considerado um dos maiores penalistas da Europa. Ele dá um exemplo: "Quanto mais se castiga um criminoso leve, mais profissional ele será quando voltar ao crime".
Ligado ao pensamento de esquerda, Massimo Pavarini diz que essa idéia de punir mais teve como origem os EUA de Ronald Reagan, nos anos 80, e difundiu-se pelo mundo "como uma doença". A eleição de Barack Obama à Presidência dos EUA pode ser um sinal de que esse ideário se esgotou, acredita. Pavarini esteve em São Paulo na última semana para participar do congresso do IBCCRIM (Instituto Brasileiro de Ciências Criminais), onde deu a seguinte entrevista:


FOLHA - O sr. diz que o direito penal está em crise porque o discurso pró-punição está desacreditado e a idéia de ressocialização não funciona. O que fazer?
MASSIMO PAVARINI - O cárcere parecia um invento bom no final de 1700, quando foi criado, mas hoje não demonstra mais êxito positivo. O que significa êxito positivo? Significa que o Estado moderno pode justificar a pena privativa de liberdade. Sempre se fala que o direito penal tem quatro finalidades: serve para educar, produzir medo, neutralizar os mais perigosos e tem uma função simbólica, no sentido de falar para as pessoas honestas o que é o bem, o que é o mal e castigar o mal. Após dois séculos de investigação, todas as pesquisas dizem que não temos provas de que a prisão efetivamente seja capaz de reabilitar. Isso acontece em todos os lugares do mundo.
FOLHA - O que fazer, então?
PAVARINI - As prisões já não produzem suficientemente medo para limitar a criminalidade. Todos os criminólogos são céticos. O direito penal fracassou em todas as suas finalidades. Não conheço nenhum teórico otimista. Isso não significa que não possa haver alternativas. Há um movimento internacional em busca de penas alternativas. O que se imagina é que, se a prisão fracassou, a pena alternativa pode ter êxito punitivo. Há penas alternativas há três décadas e, se alguma pode surtir efeito, foi em algum momento específico, que não pode ser reproduzido em um lugar com história e recursos econômicos diferentes.
FOLHA - Numa conferência, o sr. disse que o Estado neoliberal, que começou na Inglaterra e nos EUA, não pensa mais em ressocializar o preso, mas em neutralizá-lo. Por que morreu a idéia de recuperar o preso?
PAVARINI - Já se sabia que não dá para ressocializar o preso. O problema é outro. Existe uma obra bem famosa dos anos 70, chamada "Nothing Works" [nada funciona]. O livro foi escrito quando [Ronald] Reagan era governador da Califórnia [1967-1975]. Ele criou uma equipe de cientistas, de todas as cores políticas, e deu-lhes um montão de dinheiro. A pergunta era muito simples: você pode mostrar que o modelo de ressocialização dos presos tem um êxito positivo? Os cientistas pesquisaram muito e no final escreveram "nothing works". A prisão não funciona nos EUA, na Europa nem na América Latina. Nada funciona se você pensa que a prisão pode reabilitar. Não pode. O cárcere tem o papel de neutralizar seletivamente quem comete crimes.
FOLHA - Ele cumpre esse papel?
PAVARINI - Pode cumprir. O problema é que a neutralização do inimigo, a forma como o neoliberal vê o delinquente, significa o fim do Estado de direito. O primeiro problema é que você não sabe quantos são os inimigos. Essa é a loucura. Os EUA prendem 2,75 milhões todos os dias. Mais de 5% da população vive nas prisões. São 750 presos por 100 mil habitantes. Há ainda os que cumprem penas alternativas. Esses são 5 milhões. Portanto, são 7,5 milhões na América os que estão penalmente controlados. Aqui no Brasil são 300 presos por 100 mil habitantes.
FOLHA - Há teóricos que dizem que nos EUA as prisões se converteram em um sistema de controle social.
PAVARINI - Sim, isso ocorre. O setor carcerário nos EUA é quase tão forte quanto as fábricas de armas. Muitas prisões são privadas. É um bom negócio. O paradoxo dos EUA é que em 75, quando Reagan começa a buscar a Presidência, os EUA tinham 100 presos por 100 mil habitantes. Após 30 anos, a taxa multiplicou-se por oito. Os EUA não tinham uma tradição de prender muito. Prendiam menos do que a Inglaterra.
FOLHA - O senso comum diz que os presos crescem exponencialmente porque aumentou a violência.
PAVARINI - Isso é muito complicado. Se a pergunta é "existe uma relação direta entre aumento da criminalidade e aumento da população presa?", qualquer criminólogo do mundo, eu creio, vai dizer não. Os EUA não têm uma criminalidade brutal. Ela é comparável à criminalidade européia. Eles têm um problema específico: o número elevado de casas com armas de fogo curtas. Um assalto vira homicídio.
FOLHA - Por que prendem tanto?
PAVARINI - Os EUA prendem não tanto pelo crime, mas por medo social. Essa é a questão. A origem do medo social é bastante complexa, mas para mim tem uma relação mais forte com a crise do Estado de bem-estar social do que com o aumento da criminalidade. É um problema de inclusão social. Os neoliberais dizem que não dá para incluir todas as pessoas que não têm trabalho, os inválidos, os que estão fora do mercado. Os criminosos são os primeiros dessa categoria. Uma regra que ajudou a aumentar a população carcerária foi retirada do beisebol: três faltas e você está fora. Em direito penal isso significa que após três delitos, que podem ser pequenos, você está preso. Você está fora porque não temos paciência para tratá-lo. Vamos eliminá-lo.
FOLHA - Eliminar é o papel principal das prisões, então?
PAVARINI - É um dos papéis. O direito penal é cada vez mais duro, as sentenças são mais longas, "life sentence" [prisão perpétua] é mais freqüente, aplica-se a pena de morte.
FOLHA - Como essa idéia neoliberal funciona onde há muita exclusão? PAVARINI - Vou dizer algo que parece piada: quando os EUA dizem uma coisa, essa coisa é muito importante. Podem ser coisas brutais, grosseiras, mas quem diz são os EUA. Como imaginar que na Itália e na França, que têm ótimos vinhos, os jovens preferem Coca-Cola? Não se entende. É o poder dos EUA que explica isso. A idéia de como castigar, porque castigar e quem castigar faz parte de uma visão de mundo. Se a América tem essa visão de mundo, isso se reproduz no mundo.
FOLHA - É por essa razão que cresce o número de presos no mundo?
PAVARINI - Isso é um absurdo. Dos 180 e poucos países do mundo, não passam de 10, 15 os que têm reduzido o número de presos. Na Itália, temos 100 presos por 100 mil habitantes. Há 30 anos, porém, eram 25 por 100 mil. Aumentou quatro vezes em três décadas. Isso acontece na Ásia, na África, em países que não se pode comparar com os EUA e a Europa. Creio que é uma onda do pensamento neoliberal, que se converte em políticas de direito penal mais severo. É engraçado que os EUA, nos anos 50 e 60, eram os mais progressistas em política penal, gastavam um montão de dinheiro com penas alternativas. Mas hoje as pessoas acham que o direito penal que castiga mais tem mais eficiência. Isso é desastroso. Nos EUA, o número de presos cresce também porque há um negócio penitenciário.
FOLHA - O que há de errado com esse tipo de negócio?
PAVARINI - Os EUA têm cerca de 15% dos presos em cárceres privatizados. É uma ótima solução para a empresa que dirige a prisão. Ela sempre vai querer ter um montão de presos, é claro, para ganhar mais dinheiro, e isso nem sempre é a melhor política. É um negócio perverso. Os empresários financiam lobistas que vão difundir o medo. É um desastre. Mas pode ser que tudo isso mude. Obama parece ter uma visão oposta à dos neoliberais e já demonstra isso na saúde pública, um tema ligado à inclusão social. O difícil é que não há uma idéia suficientemente forte para se opor ao pensamento neoliberal sobre as penas. A esquerda não tem uma idéia para contrapor. Os políticos sabem que, se não têm um discurso duro contra o crime, eles perdem votos.
FOLHA - No Brasil, os políticos e a população defendem o aumento das penas. Penas maiores significam mais segurança?
PAVARINI - Isso é um pecado, uma idéia louca, absurda. Acontece o contrário. Penas maiores produzem mais insegurança. É claro, um país não pode neutralizar todos os criminosos. Nos EUA, eles podem colocar na prisão o garoto que vende maconha. Prende por um, dois, cinco anos, e ele vai virar um criminoso profissional. Quanto mais se castiga um criminoso leve, mais profissional ele será quando voltar ao crime. Há mais de um século se diz que a prisão é a universidade do crime. É verdade. Mas, se um político diz "vamos buscar trabalho para esse garoto", ele não ganha nada.
FOLHA - No Estado de São Paulo, o mais rico do país, faltam 55 mil vagas nos presídios e as prisões são muito precárias. Por que um Estado rico tem presídios tão ruins?
PAVARINI - Há uma regra econômica que diz que a prisão, em qualquer lugar do mundo, deve ter uma qualidade de sobrevivência inferior à pior qualidade de vida em liberdade. Como aqui há favelas, as prisões têm de ser piores do que as piores favelas. A prisão tem de oferecer uma diferenciação social entre o pobre bom e o pobre delinqüente. Claro que São Paulo poderia oferecer um presídio que é uma universidade, mas isso seria intolerável. O presídio ruim tem função simbólica.
FOLHA - Em São Paulo, o número de presos cresce à razão de 6.000 por mês. Faz sentido construir um presídio novo por mês?
PAVARINI - Mais cárceres significam mais presos. Se você tem mais presídios, você castiga mais. Por isso os países promovem moratórias, decidem não construir mais presídios.
FOLHA - Políticos dizem que mais presídios melhoram a segurança.
PAVARINI - A única coisa que você pode dizer é que mais presídios significa mais população presa. Há milhões de pessoas que delinqúem diariamente, e os presos são uma minoria. O sistema penal é seletivo, não pode castigar todos. As pessoas dizem que o crime não compensa, mas o crime compensa muito. O sistema não tem eficiência para castigar todos. Quando você aumenta muito a população carcerária, algo precisa ser feito. Na Itália, há cada quatro, cinco anos há anistia. Entre os nórdicos, quando um juiz condena um preso, ele precisa saber a quantidade de vagas na prisão. Se não há vaga, outro preso precisa sair. O juiz indica quem sai. Porque é preciso responsabilizar o Poder Judiciário e a polícia pelos presídios. O cárcere tem de ser destinado aos mais perigosos. Uma prisão de merda custa 250 por dia na Itália. Não faz sentido usar algo tão caro para qualquer criminoso.

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

CONTRA A CARETICE ESCOLAR "UM CONTRATO COM DEUS" DE WILL EISNER


Embora não sendo especialista na área da educação, muito menos infantil, tanto por convicção como por intuição sempre achei a escola por demais careta, e pior, refratária a tudo aquilo que não seja considerado tradicionalmente adequado do ponto de vista da pedagogia do controle e disciplina. Ou seja, resistente a tudo que incite questionamentos, criatividades, irreverências, liberalidades... ou mal comportamento.

A discussão acerca dos livros de literatura infanto-juvenil comprados para as escolas públicas pelo Programa Nacional Biblioteca na Escola, criado pelo MEC, somente serviu para reforçar minha visão quanto o elogio ao conservadorismo escolar.

A crítica dos nossos respeitáveis "mestres" atingiu principalmente os quadrinhos, as novelas gráficas, charges, mangas, cartuns.... Obviamente que isso não se deu por acaso, mas exatamente pelo fato desse tipo de literatura fugir completamente das indicações compreendidas como essenciais para a formação educacional, cultural, moral e ética de nossas adoráveis criancinhas.

A natureza transgressora tanto do traço artístico, como do conteúdo de tais publicações agrediu os arautos da moral e do senso comum, jogando na lata do lixo a oportunidade singular de estabelecer um diálogo bem humorado com esta nova geração.

Conforme nos chama atenção Betania Libano Dantas de Araújo, doutora pela USP em Educação, nossos alunos não precisam mais de humor sem qualidade, ou de mal humor, pois nossas casas são diariamente invadidas por este tipo de programação, marcadas por piadas grotestas, carregadas de preconceitos e humilhações.

Então a escola deveria dar viva o bom humor.

Mas, como tudo tem dois lados, o inusitado, o controverso e contraditório... A discussão suscitou a curiosidade de muitos, entre eles a que vos fala.

Fui tentar conhecer algumas das obras malditas, perseguidas pela inquisição pedagógica.

Achei algo maravilhoso, a obra em quadrinhos de Will Einser - "Um Contrato Com Deus" - publicada em 1978 e, considerada a primeira graphic novel da História.

São quatro contos o primeiro "Um Contrato Com Deus" trata da relação do homem com Deus; o segundo "Cantor de Rua" trata da vida de um homem durante a Grande Depressão; o terceiro "O Zelador" misterioso e temido guardião do prédio do Bronx onde o autor passou a infância; e o quarto "Cookalein" descreve uma estância de veraneio numa fazenda onde os hóspedes preparam suas próprias refeições.

O livro foi condenado, pois além de questionar a existência de Deus, traz cenas de sexo, e sugere fantasias pedófilas.

Imperdoável, a realidade realmente é bastante inadequada a nossos jovens.

Respeitemos a incapacitação, o seqüestro da criativadade, e a mutilação da liberdade de escolha.


quinta-feira, 27 de agosto de 2009

JULIO RENY E O CINE MARABÁ




Sempre fui fã do Julio Reny.... ele é realmente o máximo.


Sensibilidade crua, cortante, punk...


A música "amor e morte" foi um hino da geração portoalegrense dos 80, ao menos daquela mais maldita que freqüentava o Lola, Ocidente, o Vortex ...


Tinha outro boteco que também reunia vários músicos, o bar do Léo na Irmão José Otão, continuação da Vasco da Gama.


Outra música linda do Júlio Reny é o "cinema Marabá".... Ouvindo hoje na Ipanema fiquei curiosa para conhecer e achei estas imagens para vocês. O Cine Marabá surge em 1947, era o antigo Cinema Palácio da Coronel Genuíno, 206, próximo ao viaduto da Borges.


O Julio está lançando um site http://www.julioreny.com.br/ entrem e confiram as músicas e os shows.


terça-feira, 25 de agosto de 2009

O CADERNO DE SARAMAGO

« Pátio do Padeiro
A sombra do pai (1) »
Almodóvar By José Saramago
Cheguei tarde à “movida”, quando ela já tinha deixado os seus trajes de arlequim urbano, as suas lágrimas falsas de rimel negro, os seus postiços, as suas perucas, os seus risos e a sua tristeza. Não quero dizer que as “movidas” sejam tristes por definição, o que digo é que têm de se esforçar muito para não deixar que lhes saia da boca, no meio da festa e da orgia, a pergunta definidora: “Que faço eu aqui?” Atenção, estou contando uma história que não é minha. Nunca fui homem para “movidas” e se alguma vez acontecesse deixar-me seduzir, estou certíssimo de que não faria melhor figura que D. Quixote no palácio dos duques. O ridículo existe de facto, não é unicamente um ponto de vista. Posto isto, creio não equivocar-me muito imaginando Pedro Almodóvar, referente por excelência da “movida” madrilena, a perguntar à sua pequena alma (as almas são todas pequenas, praticamente invisíveis): “Que faço eu aqui?” A resposta vem dando-a ele nos seus filmes, esses que nos fazem rir ao mesmo tempo que nos põem um nó na garganta, esses que nos insinuam que por trás das imagens há coisas a pedir que as nomeemos. Quando vi “Volver” enviei a Pedro uma mensagem em que lhe dizia: “Tocaste a beleza absoluta”. Talvez (seguramente) por pudor, não me respondeu.
Devo concluir. De uma forma decerto inesperada para quem está mal gastando o seu tempo a ler estas linhas, e que resumo assim: a Pedro Almodóvar espera-o o grande filme sobre a morte que vem faltando ao cinema espanhol. Por mil razões, sobretudo porque essa seria a maneira de recuperar dos escombros o sentido último da “movida”.

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

A CRISE MUNDIAL E A CRISE DE FRANCIS FUKUYAMA ESCRITO POR CHRISTIANE FREIRE E PUBLICADO NO BOLETIM Nº 201 DO IBCCRIM

A leitura da entrevista de Francis Fuku­ya­ma nas páginas amarelas da revista VEJA, do mês de abril passado, além de provocar-me um grande desconforto, conduziu-me à reflexão crítica de vários aspectos ali abordados.
Para quem não sabe, trata-se de um importante cientista político americano, conhecido como arauto do “Fim da História”, e festejado pelos principais defensores do liberalismo econômico na sua forma mais radical.
Contrapondo-se ao que se vulgarizou denominar “utopia socialista” - compreendida como sonho totalitário, baseado na unificação ideológica e na conformação de um projeto sócio-econômico único - ele, paradoxalmente, preconizou que os sistemas políticos encontraram na democracia liberal sua expressão evolutiva final. E, no exercício do sacerdócio neoliberal através de seu discurso, nas últimas duas décadas profetizou que a democracia liberal consistia no destino final da humanidade, e, portanto, no capítulo derradeiro da história da civilização.
O novo modelo de conformação societária, segundo Fukuyama e os adeptos de sua teoria, exigiam importantes reformulações de cunho político e econômico, sintetizadas em alguns ícones substancias, tais como a irrestrita abertura dos mercados, a máxima desregulamentação do sistema financeiro e a retração sem precedentes do Estado. A fé cega na soberania do mercado pode ser identificada nas palavras do próprio cientista, que ao ser questionado acerca da crise mundial, na malsinada entrevista, admitiu que “por décadas seguimos um modelo que propunha a máxima desregulamentação dos mecanismos financeiros e a crença de que os mercados iriam se ajustar automaticamente a qualquer situação. Até o Alan Greenspan (ex-presidente do banco central americano) reconhece que foi um erro acreditar nisso.”
Ainda, enfrentando a questão acerca das medidas que a democracia liberal precisa tomar para sobreviver à atual crise, pasmem, sem qualquer constrangimento, Fukuyama sustenta: “Precisamos, urgentemente, de maior controle sobre o sistema financeiro, que está completamente desregulamentado. Acredito, também, que o estado mínimo não funcionou. A partir de agora veremos uma presença bem maior do estado na economia. Ou seja: será uma economia mais de estado e menos de mercado”.
O grande expoente do pensamento único neoliberal ao resgatar os demonizados símbolos do Estado intervencionista, esqueceu de analisar os profundos custos sociais e humanos das duas décadas precedentes, acarretados pelo desmonte do Estado de Bem-Estar, com fragilização ou extinção de suas redes de proteção e assistência; pelo fenecimento de milhões de postos de trabalho, com a disseminação do desemprego estrutural e a oficialização do emprego temporário; pela condenação de milhares de pessoas a marginalização e dester­ri­to­ria­li­za­ção; e, por fim, pela aposta no controle social punitivo de importantes parcelas da população vulnerável.
Os custos humanos são mais uma vez ignorados por Fukuyama quando inquirido sobre os danos causados aos Estados Unidos com a atual crise. O primeiro aspecto enfatizado refere-se à redução dos “recursos econômicos suficientes para sustentar uma série de atividades que mantêm ao redor do mundo, como a ajuda a outros governos ou as operações no Oriente Médio”. O segundo aspecto, revelador do alto grau de perversidade contido no discurso, é o que ressalta no plano das ideias “uma série de danos à imagem do país como promotor de um modelo de democracia e de capitalismo.”
Mais estarrecedora foi a declaração do entrevistado acerca de qual dos efeitos globais da crise mais lhe assusta. Para ele, a pior consequência da crise reside no fortalecimento dos nacionalismos econômicos, e no retorno das medidas protecionistas, e não no fato de que, entre 55 e 90 milhões de pessoas, passarão à condição de pobreza extrema neste ano devido à recessão mundial. E mais de 1 bilhão sofrerão de fome crônica no mundo todo; ou de que as consequências sociais e humanas serão devastadoras nos países africanos, cuja desaceleração do crescimento poderá ocasionar a morte de mais de 700.000 crianças antes de atingirem um ano de idade conforme as previsões do “Informe sobre Acompanhamento Global 2009: Uma Emergência de Desenvolvimento”, relatório divulgado em 24.04.2009 pelo Banco Mundial (BIRD) e pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), às vésperas da Reunião de Primavera das duas instituições(1). Ou, ainda, na taxa de desemprego dos Estados Unidos que fechou, em 2008, com 7,2%, quando o número de desempregados atingiu 2,6 milhões de pessoas, maior índice registrado desde o fim da 2ª Guerra Mundial em 1945.
Outro aspecto, no mínimo surpreendente, é o momento da entrevista em que o cientista político critica os programas sociais de redistribuição de renda atualmente implementados na América Latina. Considera que as políticas de inclusão social devem emergir de um consenso, e não da retração dos direitos das elites em favor dos excluídos, vez que tal orientação contribuiria para a acentuação perigosa da polarização entre esquerda e direita.
Ora, embora sem adentrar no mérito da natureza e eficácia dos programas de redistribuição de renda, parece-me imprescindível lançar o seguinte questionamento: Em que experiência ou momento histórico se vivenciou processos de redução de desigualdades sociais, redistribuição de renda ou políticas de inclusão forjadas pelo consenso entre grupos sociais distintos e antagônicos? Mesmo a mais cautelosa revisita a memória coletiva não traz qualquer registro neste sentido. Ao contrário, a dinâmica das conformações societárias sempre foram marcadas por situações de dissenso e conflitualidade.
A sociabilidade na América Latina - em virtude da herança colonialista e da tradição autoritária - estrutura-se numa profunda segmentação social, econômica e cultural, impeditiva de qualquer tipo de conciliação ou pacto. Importante lembrar, ainda, que todos os direitos e garantias individuais e as coletivas, conquistados pelos setores populares na América Latina, resultaram de amplos movimentos de resistência e reivindicação. Diante disso, não me atrevo a sugerir que Fukuyama apresente qualquer tipo de dúvida frente a tal proposição, tão prosaica e generalizada pelos diferentes pensamentos contemporâneos.
Por fim, diante do comentário do entrevistador de que suas afirmações se mostram incongruentes com os ícones do conservadorismo americano, Fukuyama assegura que: “Rompi com os conservadores no início da Guerra do Iraque. Não concordei, e não concordo, com a maneira como o governo anterior utilizou o poder americano. O erro de estratégia ficou claro com os danos ao prestígio do país. Os republicanos precisam repensar sua política externa e, no campo da economia, devem rever suas posições ideológicas sobre economia e governo mínimo, porque foram justamente elas que nos impeliram para a crise econômica atual.”
A conclusão apresentada pelo entrevistado, embora desalentadora, não deixa de ser coerente com o conjunto da percepção esboçada durante toda a entrevista. Primeiro por que, ao mencionar o rompimento com os conservadores no início da Guerra do Iraque, ressalta as divergências com a utilização do poder americano, e os erros de estratégia que acabaram por macular o prestígio do país. Logo, não faz nenhuma alusão à destruição do Iraque, ao extermínio de civis, aos crimes de guerra, tampouco as baixas sofridas pelos soldados americanos. Segundo por que, ao tratar da economia, cinicamente, afirma que a causa primordial da crise mundial foi exatamente a efetivação dos principais signos da econômica neoliberal e do governo mínimo.
Ora, se todas estas questões não versassem sobre a mais crua realidade envolvendo a vida de milhares de seres humanos, poderíamos imaginar que estamos diante de um diretor de cinema, propondo-se a experimentações estéticas, cujo destino dos personagens pode a todo e qualquer momento ser alterado pelo roteirista, sem qualquer tipo de dano ou prejuízo. Sejamos otimistas, ainda bem que a história não terminou...
NOTAS
1 “A crise econômica global pode conduzir a uma crise humana em África. Se se verificar uma desaceleração do crescimento que tem sido típica no passado, calculamos que mais 700.000 crianças morrerão antes de atingirem um ano de idade”, salienta o Banco Mundial, em nota divulgada em abril desde ano, a propósito da Reunião de Primavera da instituição.
“A pobreza estava a decrescer e muitos indicadores de desenvolvimento humano – em particular a prevalência do VIH/SIDA – estavam a melhorar. Agora, as esperanças suscitadas por uma década de crescimento estão a ser goradas. O que se segue, poderá ser agitação política e social”.
O impacto nos países africanos é verificável na redução dos fluxos de capital privado, que estão em declínio, depois de em 2007 terem pela primeira vez excedido o montante de ajuda externa ao continente.

terça-feira, 11 de agosto de 2009

Pablo Neruda (foto na casa "La Chascona", Santiago, Chile)


"Dadme para mi vida todas las vidas,
dadme todo el dolor de todo el mundo,
yo voy a transformarlo en esperanza"
"El hombre invisible", O.C., 1, 1003.
Yo volveré...
(por que me comove tanto? Talvez pela impossibilidade de lidar com a ida, de entender a partida)
"Yo volveré
Alguna vez, hombre o mujer, viajero,
después, cuando no viva,aquí buscadme, buscadmeentre piedra y océano,
a la luz procelariade la espuma.
Aquí buscad, buscadme, porque aquí volveré sin decir nada,
sin voz, sin boca, puro,
aquí volveré a ser el movimiento del agua, de su corazón salvaje,
aquí estaré perdido y encontrado: aquí seré tal vez piedra y silencio."
(POSTADO POR MELISSA (A CHILENITA)

domingo, 9 de agosto de 2009

A MOSTRA ARTE NA FRANÇA 1860-1960: O REALISMO
















A MOSTRA É MARAVILHOSA, ALÉM DA OPORTUNIDADE DE VER OU REVER OBRAS CLÁSSICAS COMO VAN GOGH, GAUGUIN, MONET, MANET, CEZANNE, PICASSO, DI CAVALCANTI, PORTINARI ENTRE OUTROS... O QUE MAIS ME CHAMOU ATENÇÃO FORAM OS NOVOS REALISTAS, NO SEGUNDO PISO DO MARGS.... O REALISMO E A FIGURA NARRATIVA, OU COMO ALGUNS CONCEITUAM O REALISMO EXCESSIVO OU SUPER REALISMO.
AS OBRAS DE GUDMUNDUR ERRÓ, ALAIN JACQUET, GERARD FROMANGER, PETER KLASEN, JACQUES MONORY SÃO INDESCRITÍVEIS E IMPERDIVEIS.
COM CERTEZA UMA DAS EXPRESSÕES ARTISTICAS MAIS CRIATIVAS DO MUNDO CONTEMPORÂNEO QUE JÁ VI.
NÃO PERCAM. VOU POSTAR ALGUMAS IMAGENS DESTES VISIONÁRIOS, SÓ PARA DEIXAR VOCÊS COM VONTADE DE VER...

sexta-feira, 7 de agosto de 2009

TRANSPORTE DE PRESOS: E QUANDO O ESTADO VIOLA O CÓDIGO?


Assisti ao ferrenho embate jurídico e político ocorrido no Brasil, por ocasião da edição de uma norma que proibiria o uso irrestrito de algemas. O princípio invocado era o da dignidade da pessoa humana e o da presunção da inocência. À opinião pública o tema era afeito porque os meios de comunicação, diuturnamente, divulgavam (e divulgam) imagens de pessoas – personalidades ou não – entrando ou saindo de delegacias de polícia com as mãos centradas à frente do corpo, não raras às vezes encobertas a fim de que a imagem não revelasse o que todos imaginavam: o uso de ditas algemas. Esse atuar dos agentes do Estado incomodou alguns. Talvez por conta de quem tenha sido algemado.
Resolvido o imbróglio, finalmente a razão imperou e a norma entrou em vigor. Todavia, poucos no país questionam ou se insurgem contra uma ação tão ou muito mais grave, mais violenta e mais ilegal: a condução de pessoas presas (condenadas ou não, mas também não importa) no porta-malas dos veículos estatais. Algemados, jogados de lado, sem assento, sem cinto de segurança, são conduzidos, espetacularmente diante dos olhos públicos, famosos ou anônimos.
O que mais estarrece, para além do simbólico da feitura da prisão (naquilo que Jacinto Coutinho refere não bastar o uso da força, ser preciso o escárnio para o gozo da massa) e de todos os seus efeitos estigmatizantes, é a violação explícita realizada pelo Estado de seus próprios princípios normativos, insculpidos na Constituição Federal e no próprio Código de Trânsito brasileiro.
No documento de 1997, o Estado se preocupou em estabelecer os objetivos básicos do Sistema Nacional do Trânsito. Ali, no artigo 6º, está dito que as diretrizes da Política Nacional do Trânsito devem ter em vista a segurança, a fluidez, o conforto, a defesa ambiental e a educação das atividades para o trânsito. E, antes mesmo de ser objetivo básico, a segurança é apontada como disposição preliminar. O parágrafo 2º do artigo 1º assim determina: O trânsito, em condições seguras é um direito de todos (...).
Se é assim, o emprego de viaturas para transporte de pessoas custodiadas pelo Estado sem a observância desse fundamento significa o quê? A expressão “todos” foi mal empregada? Ou será que, pelos costumes e pelos sentimentos de vingança outorgamos ao Estado o direito de descumprir as suas normas, ou de relativizá-las dependendo de quem é o seu destinatário? Será que o Estado abandonou as máximas latinas, sinal de erudição do ordenamento jurídico racional, para assumir uma máxima popular simplória (“Faça o que eu digo, não faça o que eu faço!”)?
A despeito da vigência da Constituição Federal (local em que princípios como dignidade da pessoa humana e princípio da inocência, e os direitos à vida e à integridade física ganharam status de imutabilidade e de garantia de um contra a violência de todos.), as viaturas ao estilo “camburão” seguiram sendo utilizadas pelos órgãos da segurança pública. Possivelmente alicerçado nas situações regulamentadas pelo CONTRAN, o descumprimento do artigo 65 do CTB (É obrigatório o uso de cinto de segurança para condutor e passageiros em todas as vias do território nacional) adquiriu aparência de legalidade.
Tudo porque o artigo 2º da Resolução nº 14, de 06/02/1998, estabelece que não será exigido cinto de segurança nos veículos para passageiros, de natureza coletiva, ônibus ou microônibus em que se possa viajar em pé, e nos “veículos bélicos” (leia-se, de guerra, do Exército, de uso das forças armadas).
Por outro lado, é risível (não fosse trágico) que a lei federal brasileira (de número 8.653/93) destinada a regulamentar o transporte de presos no Brasil (e que, jocosamente, dá outras providências), tenha apenas quatro dispositivos. O primeiro afirma que “É proibido o transporte de presos em compartimento de proporções reduzidas, com ventilação deficiente ou ausência de luminosidade”. O segundo foi vetado. O terceiro determinou a entrada em vigor na data de sua publicação. O quarto revogou as disposições em contrário.
O riso se torna uma gargalhada estupefata porque a malfadada norma específica ainda está em vigor. Foi publicada após a Constituição Federal e não se adequou àquela carta de Princípios. É como se proporções medianas, com furos na lataria e vidros que deixem passar a luz (e a imagem de quem está dentro, muito importante para o escárnio) fossem suficientes para assegurar a dignidade e a segurança da pessoa transportada.
Ao mesmo tempo, o Código de Trânsito Brasileiro não se preocupou em disciplinar a matéria. Ao contrário. Estabeleceu uma série de limitações à condução dos veículos automotores, previu outra série de sanções (especialmente as de caráter pecuniário destinatárias ao particular) e delegou ao CONTRAN a responsabilidade de dizer o que ali não foi dito. Esse, a seu turno, seguiu estabelecendo uma série de outros requisitos de proteção aos ocupantes dos veículos. Mas nenhum vedou, explicitamente, o transporte de seres humanos nos porta-malas dos veículos oficiais.
A atenção na criação de requisitos de segurança foi destinada à proteção de outros bens. Veja-se, por exemplo, a complexa Resolução de número 264 que define os requisitos de segurança para o transporte de blocos de rochas ornamentais. Sim, para isso, há requisitos explícitos.
De tudo, ficam mais essa desconsideração do Estado brasileiro com a pessoa custodiada e o inequívoco desinteresse do enfrentamento da matéria (há notícias de que o Ministro Tarso Genro tenha requerido à Polícia Federal a substituição dos veículos equipados com as ‘gaiolas’. Segundo divulgado na mídia, o requerimento teria sido feito em 2007. Até agora, as imagens jornalísticas revelam que nada mudou.)
Enquanto isso, críticas são dirigidas a quem questiona os meios operacionais estatais destinados à contenção dos “perigosos” (pesquisadores das ciências criminais, criminólogos e sociólogos são costumeiramente ignorados por alicerçarem as suas convicções, quanto às motivações para as práticas delituosas, em fatores biológicos, psicológicos e/ou sociais). O foco da discussão se perde e o espetáculo punitivo (inclusive antecipado, quando o preso transportado é a pessoa que ainda não foi condenada) é celebrado. Empenham-se na manifestação rasteira de intolerância e, assim, justificam a violação da lei. É como se, em um dualismo simplista e vulgar, pusesse em marcha dois direitos (do amigo e do inimigo).
Todavia, a única intolerância tolerável no Estado de Direito que escolhemos, deve ser consenso entre repressivistas e críticos: quando o autor das ilegalidades é o próprio Estado. Há que imperar a força dos princípios constitucionais. Há que se exigir também do Estado o cumprimento de suas normas. Tudo sob pena de legitimarmos um mesmo algoz.



TEXTO DE RENATA ALMEIDA DA COSTA publicado originalmente no Jornal "Estado de Direito", edição de julho/agosto de 2009.

terça-feira, 4 de agosto de 2009


Un poco de Neruda...


A la mesa con Neruda: editan su viaje culinario por Hungría
Fundador de la sociedad de los poetas gordos, en 1965 el autor de Canto general recorrió la tierra del gulash con el guatemalteco Miguel Angel Asturias. Durante semanas visitaron restoranes, bares y tabernas. Así cocinaron Comiendo en Hungría, libro que es editado por primera vez en Chile.




Pablo Neruda y Rafael Alberti vivían en el segundo piso de una librería en París. Era 1938. En la vitrina de la tienda se veían las voluminosas obras de Víctor Hugo y cada día, al bajar, Neruda y Alberti medían sus barrigas contras las obras completas del escritor francés. "Rafael, desalentado, exclamaba: -Ya estoy pasando al quinto tomo de Los miserables-. Y yo, a mi vez, después de controlarme, le respondía: -No he aumentado. Alcanzo sólo Notre-Dame de París", contaría Neruda. Para ellos, el tiempo de los poetas pálidos y flacos había pasado; el siglo XX era la época de los vates del buen comer y el buen beber: la sociedad de los poetas gordos.
Así lo recuerda Neruda al inicio de Comiendo en Hungría, una guía literaria, turística y gastronómica por la tierra del gulash. Un viaje y una celebración de la comida, la bebida y la cultura húngara, que realizó con otro insigne miembro de la misma cofradía: el guatemalteco Miguel Angel Asturias.
En 1965 Neruda y Asturias, ambos futuros Premios Nobel, se encontraron en Budapest. Golosos ambos, cenaron en el Alabardero, un restorán emplazado en un palacio gótico del siglo XV, y quedaron encantados con el "manjar centelleante" que degustaron. Durante la noche hablaron maravillas de la cocina húngara y así, entre copa y copa, decidieron escribir un libro. Pero a diferencias de esas ideas que nacen y mueren en noches de comida y bebida, Neruda y Asturias se sacrificaron: durante semanas recorrieron tabernas y restoranes, comiendo, bebiendo y dejándose seducir por sabores, olores y especias.
"Por eso, este libraco, librejo, librillo (distracción de poetas, sueño real de una noche de verano), fue premeditado y consumado entre las casas húngaras, entre sus baladas gitanas y los fogones de irresistible magnetismo. Las especias de toda la tierra entran en estas ollas generosas y los húngaros saben que convivir es concomer", escribió Neruda.
Publicado en 1967 en Budapest y en 1972 en España, Ediciones Universidad Católica lanza la primera edición chilena de Comiendo en Hungría. "Si hay libros felices (o libracos, librejos, librillos), éste es uno de ellos -anotó Neruda-. No sólo porque lo escribimos comiendo sino porque queremos honrar con palabras la amistad generosa y sabrosa".
EX POETA FLACO


Neruda era un poeta flaco. Venía de una familia pobre donde la cocina no era más que un trámite. Cuando viajó a Santiago como estudiante, solía almorzar chupe de guatitas en El Jote, con vino litreado. Además, se defendía con marraquetas y café con leche. Pero los viajes y la fama lo transformaron en un sibarita: en Oriente se enamoró de las especias y el whisky, en España amó el jamón serrano, la paella y las angulas al pilpil. Ya iba para poeta gordo.
Asturias y Neruda, rellenitos los dos, ya eran reputados poetas y amigos cuando se encontraron en Budapest. Se había conocido en 1940 en Guatemala. Años después, Asturias le salvó la vida: le prestó su pasaporte para que Neruda, prófugo de González Videla, viajara de Buenos Aires a París en 1949.
Así, el libro es también el testimonio su amistad. Del gulash a la sopa de jabalí, de los fogas fritos al foie-gras y de las berenjenas al repollo relleno, los escritores festejan la cocina con gusto a paprika. Recorren Budapest, cruzan el Danubio, atraviesan "aldeas blancas como nubes" y van a conocer los vinos de la Hungría verde. Un viaje inolvidable. "Cada comida fue una pequeña fiesta", relató Asturias. "Amo en Hungría el entrelazamiento de la vida y la poesía, de la historia y la poesía", anotaría Neruda en Confieso que he vivido, sus memorias de poeta gordo.

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

NEM TODOS QUE DERRAMAM O LEITE SÃO DESASTRADOS OU DESAJEITADOS, O CHICO POR EXEMPLO NÃO É....

O LIVRO LEITE DERRAMADO DO CHICO É UMA OBRA PRIMA, ME LEMBROU MUITO O FILME INVASÕES BÁRBARAS, OBVIAMENTE QUE COM AS CORES, O BALANÇO E A DIVERSIDADE DA SOCIEDADE CARIOCA.
A NARRATIVA É UM MONOLOGO INSANDECIDO DE UM ANCIÃO AGONIZANTE, QUE REMONTA A TRAJETÓRIA DE UMA FAMÍLIA DA ARISTOCRACIA CARIOCA EM PLENA DECADÊNCIA.
TRAZ IMPORTANTES REFERÊNCIAS DE PERÍODOS DA HISTÓRIA BRASILEIRA, MAS ISSO É APENAS O PANO DE FUNDO, O MAIS INTERESSANTE É A FORMA COMO O PERSONAGEM ESTABELECE UM DIALÓGO COM AS VÁRIAS PESSOAS QUE PASSARAM POR SUA VIDA.
E MAIS, NÃO EXISTE UM TEMPO LINEAR, AS DIVAGAÇÕES DO PERSONAGEM PERCORREM UM TEMPO E ESPAÇO DESCONTÍNUO, PORÉM ARTICULADO.
O TEXTO É RÁPIDO, O QUE O TORNA DIFERENTE DE TODOS OS ROMANCES QUE TRATAM DE SAGAS FAMILIARES, ESTES NA MAIOR PARTE DAS VEZES SÃO MARCADOS POR UM RITMO LENTO E DESCRITIVO, QUE NÃO RARAS VEZES DESANIMAM E DESENCORAJAM O LEITOR.
MUITO BOM MESMO, VALE A PENA CONFERIR.....

NESTE FINAL DE SEMANA NA PETERLONGO EM GARIBALDI DESCOBRI QUE EXISTE LUZ NO FIM DO TÚNEL, DEVE TER SIDO EFEITO DO ESPUMANTE......




quinta-feira, 30 de julho de 2009

PORTO ALEGRE NO CIRCUITO DA TOY ART - ALMA GORDA EM MONSTROS DO ROCK


AMY WINEHOUSE, A LOUCA.....

BONO, ÚNICO

LENNON


RENATO RUSSO, RAULZITO, RITA LEE E CAZUZA


MICHAEL JACKSON EM SUAS DUAS VERSÕES

CLAUDE LEVI-STRAUSS EM TRISTES TRÓPICOS

NOSSA CULTURA SE OPÕE À DOS PRIMITIVOS. ESTA É ANTROPOFÁGICA. A NOSSA É ANTROPOÊMICA, NÃO SUPORTA OS DESVIOS, OS VOMITA PARA FORA: PRENDE, INTERNA, CONFINA, EXILA, MATA....

quarta-feira, 29 de julho de 2009

Oleo de muljer con sombrero, Silvio Rodriguez


Una mujer se ha perdido conocer el delirio y el polvo, se ha perdido esta bella locura, su breve cintura debajo de mí. Se ha perdido mi forma de amar, se ha perdido mi huella en su mar. Veo una luz que vacila y promete dejarnos a oscuras. Veo un perro ladrando a la luna con otra figura que recuerda a mí. Veo más: veo que no me halló. Veo más: veo que se perdió. Una mujer innombrable huye como una gaviota y yo rápido seco mis botas, blasfemo una nota y apago el reloj. Que me tenga cuidado el amor, que le puedo cantar su canción. La cobardía es asunto de los hombres, no de los amantes. Los amores cobardes no llegan a amores, ni a historias, se quedan allí. Ni el recuerdo los puede salvar, ni el mejor orador conjugar. Una mujer con sombrero, como un cuadro del viejo Chagall, corrompiéndome al centro del miedo y yo, que no soy bueno, me puse a llorar. Pero entonces lloraba por mí, y ahora lloro por verla morir.

POSTADO POR MELISSA (CHILENITA)

Mi ciudad (Santigo do Chile)

A Mi Ciudad(Santiago del Nuevo Extremo)
Quien me ayudariaa desarmar tu historia antiguay a pedazos volverte a conquistaruna ciudad quiero tenerpara todos construiday que alimente a quien la quiera habitar.
Santiago, no has querido ser el centroy tu nunca has conocido el mar.Como seran ahora tus callessi te robaron las noches.
En mi ciudad murio un diael sol de primaveraa mi ventana me fueron a avisaranda, toma tu guitarratu voz sera de todos los que un diatuvieron algo que contar.
Golpeare mil puertas preguntando por tus diassi responden aprendera a cantarrecorreremos tu alegria desde el cerro a tus mejillas y de ahi saldra un verso a mi ciudad.
Santiago, quiero verte enamoradoy a tu habitante mostrarte sin temoren tus calles sentiras mi paso firme y sabre de quien respira a mi lado.
En mi ciudad....
Canta, es mejor si vienes,tu voz hace faltaquiero verte en mi ciudad (bis)
En mi ciudad....

POSTADO POR MELISSA MINHA CHILENITA QUERIDA

terça-feira, 28 de julho de 2009

CANDIDO PORTINARI O MENINO DO PAPAGAIO


O CADERNO DE SARAMAGO

Direito a pecar - José Saramago (28.07.2009)
Na lista das criações humanas (outras nada têm que ver com a humanidade, como sejam o desenho nutritivo da teia de aranha ou a bolha de ar submersa que serve de ninho ao peixe), nessa lista, dizia eu, não tenho visto incluído aquele que foi, em tempos passados, o mais eficaz instrumento de domínio de corpos e almas. Refiro-me ao sistema judiciário resultante da invenção do pecado, à sua divisão em pecados veniais e pecados mortais, e consequente rol de punições, proibições e penitências. Hoje desacreditado, caído em desuso como aqueles monumentos da antiguidade que o tempo arruinou, mas que conservam, até à última pedra, a memória e a sugestão do seu antigo poder, o sistema judiciário baseado no pecado ainda continua a envolver e penetrar, com fundas raízes, as nossas consciências.
Compreendi-o melhor à vista das polémicas causadas pelo livro a que dei o título de O Evangelho segundo Jesus Cristo, agravadas quase sempre por insultos e outros desvarios caluniosos dirigidos contra o temerário autor. Sendo o Evangelho apenas um romance que se limita a “reencenar”, ainda que de modo oblíquo, a figura e a vida de Jesus, é surpreendente que muitos dos que contra ele se insurgiram o tenham visto como uma ameaça à estabilidade e à fortaleza dos fundamentos do próprio cristianismo, em particular na sua versão católica. Seria a altura de nos interrogarmos sobre a real solidez desse outro monumento herdado da antiguidade, se não fosse evidente que tais reacções se deveram, essencialmente, a uma espécie de tropismo, reflexo do sistema judiciário do pecado que, de uma maneira ou outra, levamos dentro. A principal dessas reacções, ainda assim das mais pacíficas, consistiu em protestar que o autor do Evangelho, não sendo crente, não tinha o direito de escrever sobre Jesus. Ora, independentemente do direito básico que a qualquer escritor assiste de escrever sobre qualquer assunto, acresce, neste caso, a circunstância de que o autor do Evangelho segundo Jesus Cristo se limitou, bem vistas as coisas, a escrever sobre algo que directamente lhe interessa e lhe toca, pois que, sendo efeito e produto da civilização e das culturas judaico-cristãs, é, em tudo e por tudo, no plano da mentalidade, um “cristão”, ainda que a si próprio filosoficamente se defina e na vida corrente se comporte como o que também é – um ateu. Desta maneira, será legítimo dizer que, tanto quanto ao mais convicto, observante e militante dos católicos, me assistia, a mim, incrédulo que sou, o direito de escrever sobre Jesus. Entre nós só encontro uma diferença, mas, essa, importante, ao de escrever, acrescentei, por minha conta e risco, outro que ao católico está proibido: o direito a pecar. Ou, por outras palavras, o humaníssimo direito à heresia.
Alguns dirão que isto são águas passadas. No entanto, como, neste particular, o meu próximo romance (desta vez não lhe chamarei conto) não será menos conflitivo, bem pelo contrário, achei que talvez valesse a pena pôr o penso antes da ferida. Não para me proteger (questão que nunca me preocupou), mas porque, como é costume dizer-se nestas paragens, quem avisa não é traidor.