quinta-feira, 10 de junho de 2010

"A CIDADE E AS COISAS"


HOJE TENDO QUE TRATAR DAQUELAS BUROCRACIAS QUE  NINGUÉM ESTÁ LIVRE, FUI ATÉ O CENTRO DA CIDADE E, ACABEI  ME DEPARANDO COM  UMA GAMA DE IMPRESSÕES, SENTIMENTOS, NOSTALGIAS QUE RESOLVI COMPARTILHAR COM VOCÊS.
MOREI UNS 04 OU 05 ANOS NO CENTRO DA CIDADE, MAIS EXATAMENTE NA DUQUE DE CAXIAS PRÓXIMO AO PIRATINI, SÃO PEDRO E CATEDRAL. MUDEI PARA A OLAVO BILAC, E ME DEI CONTA DE QUE TINHA PERDIDO AQUELE HÁBITO MARAVILHOSO, ÚNICO DE PERAMBULAR PELO CENTRO DA CIDADE.
HOJE QUANDO CAMINHAVA NA RUA DA PRAIA NO MEIO DAQUELA MULTIDÃO TÃO DIFERENCIADA, CARACTERÍSTICA DOS  ATORES QUE VIVEM O CENTRO, ME DEI CONTA DE QUE VIVEMOS NUMA GRANDE CIDADE.
E É A CAPACIDADE DE AGRUPAR E CONVIVER COM ESTA ENORME DIVERSIDADE, REFLETIDA SINGULARMENTE NESTE ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA QUE É A RUA DA PRAIA, QUE TORNA AS GRANDES CIDADES TÃO INTERESSANTES...
ACHO QUE O SENTIMENTO DE NOSTALGIA TEM A VER COM A MINHA PRÓPRIA EXPERIÊNCIA, POIS O FATO DE NÃO MORAR MAIS NO CENTRO, ACABOU REDUZINDO MINHAS INCURSÕES, MAS VAI ALÉM, TEM A VER COM O FATO DE CADA VEZ MAIS RESTRINGIRMOS NOSSAS ATIVIDADES PROFISSIONAIS, CONVIVÊNCIAS, ENTRETENIMENTO AOS LOCAIS FECHADOS,  FECHADOS NO SENTIDO MAIS PROFUNDO E RADICAL DA PALAVRA, HOMOGÊNEOS, INSIPIDOS, INODOROS, E COMO NÃO PODERIA SER DIFERENTE, DESUMANIZADOS E NADA CRIATIVOS.
COM CERTEZA O SHOPPING, A PUC E O TRIBUNAL (NO MEU CASO), SIMBOLIZAM A ANTITESE DA HETEROGENENIDADE, COMPLEXIDADE, DIÁLOGO, MULTICULTURALISMO, OU SEJA, TUDO QUE HÁ DE VIVAZ, ELOQÜENTE, SENSÍVEL, ARTÍSTICO, MULTICULTURAL E IRREVERENTE NA CIDADE.  OU MELHOR, AQUILO QUE FAZ A CIDADE, QUE A DIFERENCIA DOS ZONEAMENTOS, DOS CERCEAMENTOS ESPACIAIS, DAS TENDÊNCIAS AO GUETO.
É POR TUDO ISSO QUE O REENCONTRO COM A RUA DA PRAIA, COM A GALERIA CHAVES, COM O CHALÉ DA PRAÇA QUINZE, COM O MERCADO PÚBLICO E, POR FIM COM  O SANTANDER CULTURAL (ATRAVÉS DA "EXPOSIÇÃO HORIZONTES EXPANDIDOS) FOI TÃO PRAZEROSA.
VIVAM A CIDADE ATRAVÉS DAS ARTÉRIAS ONDE CORREM O SANGUE QUENTE E, NÃO DAS FRIAS EXTREMIDADES.

4 comentários:

  1. Na verdade eu sou nostálgico com tudo.
    Definitivamente, TUDO!
    E com facilidade, consigo imaginar o seu sentimento.
    É engraçado pensar nessas coisas né?
    Quanta gente,
    quanto movimento,
    quanto mundo...

    Adorei seu blog, estou te seguindo tá?

    ResponderExcluir
  2. Titi, to com saudades, manda um sinal de fumaça por email, ou entra pro facebook ou pro twitter. Beijos (Ana "Aninha")

    ResponderExcluir
  3. Belos tempos, belos dias! Eu ainda vivi o " centro" quando depois do jantar se saia para ver as vitrines da Louro, Sloper, casa Victor e tomar um cafesinho no Rian e comprar revistas na Bruxa. Saudades ... Beijos Méri

    ResponderExcluir
  4. - Chuckymaníaca.29 de junho de 2010 06:16

    Eu me considero isolada da movimentação da sociedade paulistana. Mal saio de casa.

    A experiência mais próxima da diversificação entre as pessoas da qual tenho contato é quando pego o trêm da CPTM, não é a mais vivaz das experiências, mas é reflexivél, como as pessoas são diferentes!

    ResponderExcluir